“CERVEJA BELORIZONTINA CONTAMINADA – QUEM PAGA O PREJUÍZO?”

De acordo com relatório da Polícia Civil de MG, já são onze casos notificados de síndrome nefroneural, que estão supostamente ligados à ingestão da cerveja artesanal Belorizontina, da cervejaria Backer. Ainda segundo a Polícia Civil, foram identificados dois lotes do produto contaminados por dietilenoglicol e monoetilenoglicol. Até ontem (13), 17 pessoas haviam apresentado os sintomas relacionados com a contaminação pela substância. Um dos pacientes internados com os sintomas, Paschoal Dermatini Filho, morreu em Juiz de Fora.

E agora? Como fica o caso das pessoas contaminadas após ingerir a bebida? A cervejaria pode ser responsabilizada?

De acordo com o advogado Dr. Leandro Lourenço*, independente de comprovação de culpa, a empresa deverá ser responsabilizada pelos danos causados aos consumidores da bebida, uma vez que a responsabilidade civil, nesse caso, é objetiva, ou seja, a culpa é presumida. As pessoas que sofreram danos decorrentes do consumo do produto contaminado poderão pleitear judicialmente a reparação dos danos.

Casos de alteração em alimentos – seja por falha humana, mecânica ou até mesmo por contaminação maliciosa – podem colocar em risco a continuidade de uma empresa. 

Muito se fala sobre as medidas que as companhias podem adotar para evitar tais danos. No entanto, existem casos, como o da empresa Backer, em que a situação já fugiu do controle, e produtos precisaram ser retirados das prateleiras. 

É um momento crítico, no qual a empresa necessita de suporte para tomar decisões assertivas. 

Por fatos como esse, determinadas seguradoras oferecem um determinado tipo de seguro, que ajuda a controlar os efeitos das retiradas dos produtos do mercado, cobrindo custos importantes e fornecendo serviços de consultoria de gerenciamento de crise e comunicação, que minimiza o impacto sofrido pela empresa em razão da exposição a qual está submetida.

Dependendo da extensão dos danos causados, caso seja comprovada a relação de causalidade entre o consumo da bebida e os casos de contaminação, as consequências para a empresa Backer podem ser gravíssimas. 

O fato é que, independente de culpa, a cervejaria já está sofrendo efeitos danosos, uma vez que houve a interdição da fábrica pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a apreensão de seus produtos para análises.

O seguro de responsabilidade civil é fundamental para que sejam minimizados os efeitos dos danos sofridos por uma empresa, como no caso da Backer, e para que cada pessoa afetada tenha seus danos devidamente reparados, sem que se coloque em risco, no entanto, a continuidade da empresa. 

*Dr. Leandro Lourenço dos Santos é advogado, especialista em Direito Civil e Processo Civil pela Universidade São Francisco, e Gerente na Long Life Corretora de Seguros.

Você está renovando ou pensado em contratar um Seguro para sua empresa? 

Long Life possui profissionais especializados em seguros que tem como missão encontrar a melhor cobertura pelo menor custo. Conte com toda assessoria que você precisa desde a escolha do melhor plano de seguro para seu veículo e para todo o período de cobertura do seguro contratado, inclusive todo apoio necessário caso aconteça algum sinistro. 

RECEBA UMA CONSULTORIA GRATUITA! CLIQUE AQUI

Fontes:

https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2020/01/13/mais-um-lote-da-belorizontina-esta-contaminado-diz-policia-civil.ghtml

https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2020/01/13/policia-encontra-presenca-de-dietilenoglicol-em-um-dos-tanques-da-backer-em-bh.ghtml

Compartilhar

Confira também: